ESG. Você sabe a sua importância?

Por muito tempo, o objetivo maior das corporações era pautada quase que exclusivamente em indicadores de faturamento, controle de corrupção e ética nos negócios.
Entretanto, cada vez mais os valores socioambientais passaram a estar em evidência no mundo corporativo. O termo sustentabilidade ficou cada dia mais conhecido e as Empresas com as melhores práticas passaram a se destacar no mercado e entre os investidores.
Nestes termos, Environmental, Social and Governance (ESG) é uma conduta que vem ganhando notoriedade no mundo corporativo e significa a necessidade das empresas implementarem nas suas gestões governamentais boas práticas sociais e ambientais.
A importância de tal conduta é tamanha que as práticas sustentáveis passaram a integrar a estratégia financeira do negócio. E para os investidores tais conjuntas tornaram um critério tão importante quanto os resultados financeiros das Empresas.
No Brasil tal tema começou, ainda que incipiente, a ter grande destaque após o fatídico acidente em Brumadinho (MG), que acarretou em milhares de mortes. Após essa catástrofe, o tema ESG passou a ser mais conhecido, haja vista o despertar dos investidores para a importância de uma governança social e ambiental nas Empresas.
O ESG é composto, fundamentalmente, por dois pilares: a) ambiental e; b) social. O pilar ambiental se traduz na preocupação com a redução dos impactos ambientais, com a logística reversa, com a política nacional de redução de resíduos sólidos, com prática de reciclagem, com utilização consciente dos recursos naturais e adoção nos processos industriais de práticas que favoreçam o ambiente.
O pilar social, por seu turno, está intimamente ligado com o relacionamento da empresa com as pessoas, sejam funcionários, prestadores de serviços, autônomos vinculados, estagiários, clientes, fornecedores, parceiros de negócios e a comunidade na qual está inserida. Essas relações devem ser pautadas em um “compliance empresarial”, baseadas em condutas integras, éticas e transparentes, coibindo qualquer prática de corrupção.
Empresas com boa governança ambiental e social são menos suscetíveis a ceder a corrupção e coerção, pois são íntegras e confiáveis. São empresas que estabelecem um compromisso social, relacionam-se de forma transparente com a sua comunidade e público e preocupam-se com a preservação do meio ambiente. 
Ademais, cada vez mais as relações comerciais Business to Business (B2B) vem exigindo que os contratados adotem práticas de ESG, impondo, assim, que as companhias e seus stakeholders se preocupem em implantar cada vez mais nas suas organizações a governança social e ambiental. Assim, os líderes e gestores empresariais devem estar atentos aos indicadores de ESG, e se valer deste mecanismo para atrair novos negócios e investimentos.
Por fim, o ESG não é só uma tendência. Investidores inclinam-se a apoiar empresas comprometidas com o meio ambiente, envolvidas com questões sociais e com boas práticas em governança corporativa, aspectos estes que estão interligados e que, pela próprio desenvolvimento do mundo globalizado, são essenciais para a realização de qualquer negócio.